Somente o Mar Sabe – Otimas interpretações e uma história que se perde constantemente.

Com ótimas interpretações de todo o elenco, Somente o Mar Sabe sofre com uma história semi fictícia e um drama familiar que se enrolam por mais tempo que necessário!

Somente o Mar Sabe

(The Mercy):

Data de estreia: 26/04/2018

Direção: James Marsh

Elenco: Rachel Weisz, Colin Firth, David Thewlis

Sinopse: A incrível história do marinheiro amador Donald Crowhurst e sua tentativa solo de circunavegar o globo. As lutas que ele enfrentou na jornada enquanto sua família aguardava seu retorno é um dos mistérios mais duradouros dos últimos tempos.

 

Crítica

Na década de 1960 o jornal The Sunday Times patrocinou a viagem de Francis Chichester que se tornou o primeiro homem a dar uma volta ao mundo velejando sozinho, sua viagem de 226 dias, teve somente uma única parada. O patrocínio rendeu ao periódico muito lucro e visando repetir o feito surgiu a “The Golden Globe Race”, uma corrida que premiaria quem completasse uma volta ao mundo primeiro e quem fosse o mais rápido, mas diferente de Francis Chichester, a viagem deveria ser feita sem paradas.

Inspirado por Francis e almejando o sucesso e fama, Donald Crowhurst, um empresário britânico e velejador amador, decide entrar na tal corrida. Sem barco, sem dinheiro e sem experiência, a viagem se tornou um fracasso e o nome de Donald entrou para história por motivos indesejados.

A proposta de Somente o Mar Sabe é de contar a viagem desastrosa de Donald, seus dramas, duvidas, erros e também de mostrar como sua família, a esposa Clare e seus 4 filhos lidam com essa aventura.

O filme traz Colin Firth (O Discurso do Rei) como o protagonista, Rachel Weisz (O Jardineiro Fiel) como Clare Crowhurst e também David Thewlis (Mulher Maravilha) como Rodney Hallworth, um assessor de imprensa de aventura e, sem sombra de dúvidas, é de suas interpretações que saem os poucos elogios ao filme.

Como Donald, Colin Firth vai do homem obstinado, do visionário e pai para um excêntrico depressivo e perdido navegador. Com o desenvolvimento da trama, o personagem vive por meio de flashbacks e todos os passos que antecederam seus dias no mar. Entra cada flashback, uma visão, um aspecto do personagem é apresentado, para logo em seguida ser demonstrado o inverso no seu isolamento do mar. A ideia é que, em cada flashback, o personagem de Donald aponte seus pontos forte e mostre então eles como problemas da viagem, apesar de servir como grande apoio para a interpretação de Colin é uma lastima na forma de contar história.

Rachel Weiz e David Thewlis não sofrem por esse problema, sem o foco em sua narrativa, eles giram em torno do personagem central de forma competente, mas ainda assim, não somente essa competência determina sucesso.

O filme sofre em sua história, uma ideia que poderia ser curta e mesmo assim bem explicada, mas não, ela se estende e muito, por uma grande narrativa que migra entre pontos contemplativos, tentativas apáticas de criar grandes momentos, cenas que não se conectam e ainda assim, se tivesse um ritmo acelerado, a trama conta uma história quase que ficcional, imaginando o que Donald, em sua solidão, fez e para isso são criadas diversas cenas que, sem necessidade na narrativa, servem apenas pra exibir o bom elenco.

Perdido em sua própria ideia e tentando se ancorar em um ótimo e competente elenco, Somente o Mar Sabe, falha em sua tentativa de ser uma biografia, cria ficção exagerada e se perde na forma de contar uma história , demasiadamente simples, simples.

Trailer:

Clemerson Campos

Com 30 e poucos anos, Bancário, Gerente de Projetos por formação, Pai da Heloísa, apaixonado por cinema, grande consumidor de informação inútil e acima de tudo, orgulhoso membro de 2% da população mundial, OS RUIVOS!