Movimento Internet Sem Limites

Movimento Internet Sem Limites

“Cortem meu dedos mas não cortem minha internet!” foi exatamente isso que escutei de um analista da GVT quando recebeu a noticia que a própria empresa (GVT/Vivo – Telefonica) onde trabalha esta implementando procedimentos de corte de sinal e/ou redução de velocidade dado o consumo dos clientes e é isso que o Movimento Internet Sem Limites esta tentando combater.

Banner contra internet com limites instituídos pelas operadoras

Mas a GVT/Vivo – Telefonica não é a única, na verdade é mais fácil listar as poucas que ainda não aderiram a idéia idiota de garantir a qualidade de rede com a limitação de banda dado o aumento do consumo e é óbvio que a internet esta se movimentando contra isso!

A internet no Brasil tem uma das 10 PIORES internet do mundo na questão de velocidade média como apontado pela Revista Veja em um estudo da empresa Americana Akamai, ficando em 9º colocado, como se não fosse suficiente, o já crucificado relacionamento entre consumidores e operadoras agora recebe mais uma pancada quando Vivo, GVT, OI e NET começam a se preparar para limitar o consumo de dados em suas redes.

giphyAtualmente não existe limite de franquia para internet residencial e isso permite que você consuma todo o catalogo da Netflix, se embebede saboreando todo o acervo musical via streaming ou resolva instalar de uma única vez todos os 200gb em jogos que a Steam fez você comprar com suas promoções!!!

Agora veja só, considerando os dados da Folha:

Assistir um filme ou série no Netflix gasta de 1 Gbyte de dados por hora, com definição de vídeo padrão, ou até 3 Gbytes por hora em alta definição.

Assim sendo, em um contrato com a NET onde a empresa oferece 30 MB/s de velocidade com uma franquia de 100 Gb isso possibilita que você assista 13 Filmes em HD na Netflix por mês!!! Agora acrescente a essa conta um consumo de uma família de 4 pessoas como fica? Sem considerar que hoje em dia quase tudo depende de acesso a internet, de relógio de pulso a geladeiras as casas estão cada vez mais conectadas. A sensação que esse tipo de comportamento gera é de retrocesso tecnológico, veja só, quantos não gastam cotas similares com ensino como KHAN ACADEMY, COURSERA ou até mesmo com o Youtube? Isso tudo vai se tornar mais caro no bolso do consumidor, o que era gratuito agora não é.

A indagação vai mais além, pensando em atrativos comerciais, quantos estabelecimentos deixariam de ofertar acesso Wifi a seus clientes? Instituições de ensino com acesso a seus alunos?

Mas o impacto negativo de uma medida como essa vai muito além. Uma das formas de medir o desenvolvimento de uma nação é analisar o volume de dados trafegados por cada habitante.É um indicador que mostra que mais gente está tendo acesso a conhecimento, educação a distância, serviços públicos conectados, negócios digitais, telemedicina e mais uma série de benefícios trazidos com uma boa conexão à internet, que seja acessível a boa parte da população.

Fonte: Época

Mas e ai? Isso pode ocorrer? As operadoras podem fazer isso?

Então, elas podem SIM. De acordo com Rafael Zanaga, pesquisador do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor em entrevista a Folha, a Anatel já tem regulamentado essa prática porém isso só não é feito pelas operadoras.

Dado que a Anatel já se apresentou em favor da prática taxando como uma prática benéfica, cabe ao consumidor garantir seus direitos, seja procurando serviços e prestadores justos com o serviço prestado ou seja se mobilizando como o grupo Movimento Internet Sem Limites! (@netsemlimites)

 

Como usuários ficamos vendidos nessa disputa de controle totalitário das operadoras a espera de alguma solução em um cenário politico desfavorável e volátil.

 

Fontes: Época, Folha, Movimento internet sem limites